FANTASIA (1940) - clássico se torna referência 5

FANTASIA (1940) – clássico se torna referência

Fantasia completa 73 anos e torna-se referência para à evolução das trilhas sonoras

 
“Fantasia não pode sair da moda pela simples razão de que representa um voo em uma dimensão além do tempo”  
                                                               WALT DISNEY (1940) 
Você sabia que Walt Disney fez um filme que privilegiou mais o público adulto que o infantil? Pois é, o clássico Fantasia foi produzido em 1940, há exatos 73 anos. “Fantasia”, assim como é chamado, marcou história ao misturar contos de fadas com música clássica. O longa-metragem, que tem 120 minutos de duração, foi um trabalho totalmente diferente, pois não há efeitos sonoros, diálogos, apenas música clássica.
fantasia-6
Fantasia

 

O projeto que foi desacreditado por muita gente, nasceu da vontade de Walt Disney resgatar a popularidade de Mickey, já que naquela época, outros personagens estavam disputando à atenção do público.

Músicas de Fantasia

Um dos grandes destaques de Fantasia, foi o Aprendiz de Feiticeiro, poema sinfônico que Paul Dukas sobre um conto de Goethe. Esse poema conta a história de um aprendiz de feiticeiro que na ausência de seu mestre, toma emprestado seu chapéu e sem saber lidar com o poder se envolve em diversas confusões.
Outras obras também foram selecionadas e destacam-se:
  •     Tocata & Fuga em Ré menor, Johan Sebastian Bach;
  •      Suiíte Quebra Nozes, op.71a, Piotr Ilitch Tchaikovsky;
  •      O Aprendiz de Feiticeiro, Paul Dukas;
  •      Sinfonia, n.6 em Fá maior; Ludwing van Beethoven;
  •      A Sagração da Primavera, Igor Stavinsky;
  •     Dança das horas, Almicare Ponchelli;
  •     Noite no Monte Calvo, Modest Mussorgsky;
  •     Ave Maria, Franz Schubert.

 

Na animação, as oito sequências anunciam o que o público vai ouvir e assistir. As músicas foram divididas em três categorias:
  • Músicas que contam histórias: foram escritas para descrever uma narrativa completa;
  • Músicas que “pintam” um quadro: refere-se a maneira de interpretar a obra musical;
  • Música absoluta: esta música sustenta-se nas estruturas da linguagem musical e não se opõe à imagem visual.
Disney e seus animadores sentiram-se bastante animados e temerosos ao realizar este projeto, pois nunca haviam trabalhado com essa grande diferença que é misturar o abstrato e o concreto.
Apesar de todo o engajamento de Disney e seus animadores, esta grande animação não alcançou o sucesso esperado e seus méritos somente foram reconhecidos 30 anos após o seu lançamento.
Mas o que pode-se afirmar é que ele contribuiu e muito para a evolução das trilhas sonoras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.